RECEBER SEU NOVO GATINHO EM CASA

carinhaÉ tempo de ajudar o seu gato ou gatinho a instalar-se na sua nova casa. Com os conselhos que lhe daremos aqui pretendemos ajuda-lo a ambientar-se aos seus novos territórios.

Trazer o seu novo gato para casa

As primeiras horas, depois de o trazer para casa, podem realmente influenciar o modo como ele irá aceitar a sua nova vida. Em primeiro lugar e muito importante, esteja preparado para ser muito paciente e nunca tentar apressar o seu gato a fazer coisas que ele pode ainda não estar preparado para fazer.

O território é vital para os gatos. Antes de o ir buscar, prepare um espaço dedicado e seguro para ele. Esta área deve incluir:

brinquedos e espaço para ele brincar;

uma área para a comida e para a água;

pelo menos uma casa de banho com areia ou sílica, colocada longe da água e da comida, num local com privacidade se possível;

um local adequado para dormir ou idealmente proporcionar vários à escolha;

um arranhador;

um local que lhe permita esconder-se e refugiar-se – uma caixa de cartão virada com um buraco num dos lados, uma cama tipo igloo ou simplesmente um espaço debaixo da cama;

um local de observação – os gatos sentem-se confortáveis se estiverem num sítio alto onde podem observar sem serem notados, um móvel com prateleiras servirá.

O significado dos odores

Os gatos confiam fortemente no seu sentido de olfacto e ambientam-se melhor e mais rapidamente, no seu novo território, se os odores lhes forem familiares. Para ajudar o seu gato a familiarizar-se com o seu odor, leve uma peça de vestuário sua ou um cobertor da sua casa e deixe com ele uns dias antes de o recolher para casa. Quando o recolher, traga essa peça de roupa, que agora terá o seu odor misturado com o dele, fechada num saco de plástico para manter essa mistura de odores activa.

Poder-se-á utilizar odores sintéticos com feromonas faciais, que transmitem aos gatos uma sensação de bem estar e segurança. Estes encontram-se à venda sob a forma de sprays.

Os primeiros passos

Como o seu gato irá reagir a um ambiente estranho, com gente estranha dependerá inteiramente no seu carácter. Em seguida aconselhamos uma linha de conduta de como se deve introduzir o seu gato na sua nova casa e à sua nova família. Sejamos pacientes e tomemos um passo de cada vez. Só você poderá ajuizar se o seu gato se encontra confortável para passarmos para a etapa seguinte.

Quando chegar a casa, deixe o seu gato sozinho, por mais ou menos uma hora, para explorar o espaço que lhe preparou. Quando voltar a entrar nesse espaço, baixe-se ao nível do seu gato, chame-o com a mão e pelo seu nome. Deixe ser ele a vir ter consigo.

Se o seu gato escolher esconder-se, sente-se simplesmente com ele e fale com ele calmamente e em tom suave. Não o force a sair do seu esconderijo. Dê-lhe tempo suficiente para se adaptar e continue a visita-lo até que ele se habitue à sua presença. Desde que ele coma e use a casa de banho não há razão para alarme. Se o seu gato for extremamente tímido e não quiser sair para comer, tente mover o comedouro para mais perto do seu esconderijo e deixe-o sozinho.

Podemos tentar com brincadeiras e com brinquedos que ele deixe o seu esconderijo. As brincadeiras são uma ferramenta para estabelecer laços, não são tão intimidatórias como o contacto físico, liberta a ansiedade e gasta energia. Poderá descobrir que é mais fácil encorajar o seu gato a brincar de madrugada ou ao lusco-fusco, pois são alturas do dia em que os felinos são naturalmente mais activos.

Alguns gatos não tiveram contactos com as pessoas ou estes foram esporádicos ou ainda as experiências com pessoas foram traumáticas – seja, portanto, paciente, o seu gato irá com o tempo ganhar confiança em si.

Os primeiros passos com gatinhos

O processo é ligeiramente diferente com um gatinho. É melhor não o deixar sozinho até que ele se encontre instalado. Proporcione-lhe uma cama quente, segura e ao nível do chão. Depois de ele ter dado uma volta exploradora, mostre-lhe onde se encontram a casa de banho, a comida e a cama. Ele poderá sentir-se solitário com saudades da sua mãe e dos seus irmãos, assim, quando não estiver com ele, deixe um rádio ligado com o volume baixo para lhe fazer companhia e brinquedos, se possível interactivos.

Conhecer a família

Assim que o seu gato estiver à vontade consigo, dê a conhecer os outros membros da família, um a um. É natural que as crianças se encontrem excitadas, tente mantê-las calmas. Deixe o seu gato ter a iniciativa de vir ter com elas e depois mostre-lhes como devem segurá-lo e acariciá-lo. Tenha a certeza que as crianças entenderam que o gato não é um brinquedo.

Conhecer a família – gatinhos

Os gatinhos são particularmente delicados e, como bebés que são, necessitam de muitas horas de sono. Assegure-se que o seu gatinho é manipulado com todo o cuidado e tenha bastante tempo para descansar.

Explorando o resto da casa

Assim que o seu gato está confortável com todos os membros da família e se não tem mais animais de companhia em casa, pode, gradualmente, deixa-lo explorar mais dependências do lar. Deixe-o sair por si e mantenha a porta da dependência que serviu de base aberta para que ele se possa refugiar se sentir necessidade disso. Assegure-se que todas as outras portas e janelas estão fechadas para que não possa escapar para o exterior.

O grande espaço exterior

Não permita que o seu gato vá para o exterior antes que ele se encontre totalmente adaptado à sua nova casa e saiba de onde vem a sua comida – isto demorará entre três a quatro semanas. Se o seu felino não se encontra esterilizado, não é aconselhável deixá-lo sair antes da cirurgia. Deixe-o sair antes do seu jantar ou do seu pequeno almoço, assegurando-se assim que não irá para muito longe.

O grande espaço exterior – gatinhos

O seu gatinho precisa de ganhar experiência com o mundo exterior para se sentir confortável no seu jardim quando for adulto. É fácil notar-se quando o seu gatinho se tornar interessado no mundo lá de fora. O seu carácter e a sua auto-confiança determinarão quando isto acontecerá. Podemos incentivá-lo a sair chamando-o, nunca o force.

Nunca deixe o seu gatinho sozinho no jardim até que ele tenha pelo menos seis meses de idade. Só o deve deixar sem vigilância quando sentir que ele está suficientemente confiante, identificado de preferência com micro-chip e esterilizado.

Apresentando outros animais de companhia

Quando introduzir o seu novo gato a outros animais de companhia, é aconselhável controlar a situação, em vez de deixarmos os animais resolverem a situação por eles próprios.

Apresentando gato a outro gato

Os gatos não são criaturas naturalmente sociáveis e a maioria são felizes sozinhos, não esperemos, portanto, harmonia instantânea. Contudo, se não houver competição pela comida ou pelos locais de repouso, os gatos normalmente toleram-se, podendo tornarem-se bons amigos.

Antes de apresentar os gatos fisicamente, apresente-os através dos seus odores.

Misture e espalhe os odores de cada um ao outro através de:

Acariciando um à vez sem lavar as mãos de um para o outro;

Acariciando-os com uma peça de roupa e passando-a pelas esquinas dos móveis ao longo da casa;

Trocando as camas ou os cobertores de um pelos do outro.

Mantenha esta mistura de odores até os gatos deixarem de reagir ao cheiro do outro.

Quando for altura de apresentar os gatos cara a cara, ajudará:

Assegurar uma rota de escape para ambos os gatos;

Fazer essa apresentação numa sala grande, permitindo os gatos de manterem a distância;

Essas primeiras apresentações serem breves retornando os gatos para divisões separadas.

É provável que os seus gatos não lutem mas tenha um cobertor à mão se os tiver que os separar. Nunca os persiga ou grite com eles, isso só fará que associem à presença do outro gato uma experiência desagradável.

À medida que a companhia do outro gato se torna mais confortável, tente encorajar a aproximação deles. Finalmente tente alimentá-los na mesma sala com os comedouros separados por alguma distância. Escolha um local onde possam escapar para detrás de um móvel ou para um sítio alto. Coloque um objecto, como por exemplo uma cadeira, entre os dois comedouros, assim sentir-se-ão menos ameaçados. Com o tempo posicione os comedouros gradualmente mais próximos.

Pode demorar desde um dia até várias semanas para que os gatos se tolerem um ao outro, por isso não perca a esperança se inicialmente houver um comportamento agressivo de parte a parte. É incrível como um dia frio e húmido força rivais diante de uma lareira acesa!

Apresentando gatos a cães

Apesar de cães e gatos serem considerados grandes inimigos, é mais fácil apresentar um gato a um cão do que a outro gato. Neste caso, o gato tomará conta da situação imediatamente!

Primeiro faça a mistura e troca de odores como acima descrito por um período de vários dias. Depois faça a apresentação cara a cara:

Mantenha o seu cão com a trela e calmo – ajudará muito se antes o tiver passeado de uma forma intensiva;

Assegure-se que o seu gato não se sentirá encurralado, deverá estar num sítio onde se encontre calmo e seguro com a possibilidade de uma rota de fuga;

Não force o seu gato a aproximar-se do seu cão – deixe que seja ele a escolher aproximar-se;

Não permita que o seu cão persiga o seu gato se este fugir – mantenha o seu cão sob controlo e o mais calmo possível;

Recompense o seu gato para que ele associe esta experiência a algo positivo;

Quando o seu cão e o seu gato estiverem pacíficos na presença um do outro, liberte o seu cão da trela mas assegure-se que o seu gato tem um ponto de fuga, de preferência alto. Nunca deixe o seu cão e o seu gato juntos sem vigilância até que esteja absolutamente seguro que são felizes e seguros na companhia um do outro.

Apresentando um gatinho
Quando apresentar um gatinho a outro gato ou a um cão, seja muito cauteloso e percorra as etapas muito lentamente. O processo de reuniões controladas e frequentes aqui também se aplica. É melhor manter o gatinho num transportador ou ao colo durante os primeiros contactos até que ambos os animais estejam em completa harmonia.

Ansiedade

Um novo lar pode trazer muita ansiedade, quer para o novo gato quer para os gatos já residentes.

O gato pode demonstrar ansiedade arranhando ou marcando território.

Estes problemas podem ser evitados com paciência e muita atenção às necessidades do seu gato. Ter locais em número suficiente para comer, dormir e para casa de banho, assim como esconderijos significa para o s seus gatos um sentido de controlo do seu mundo.

A ansiedade pode diminuir a capacidade do sistema imunitário do seu gato, resultando em infecções frequentes com sinais como diarreias e bronquites. Se estes sinais persistirem vá ao médico veterinário.

Dieta e regime alimentar

De início deve seguir a dieta que o seu gato está habituado, assim, antes de levar o seu novo gato para casa, deve informar-se que dieta consome e em que regime. É melhor não alimentar o seu gato com leite de vaca porque muitos gatos não toleram a lactose. Tenha sempre água fresca disponível.

Agora que o seu gato está instalado, não esqueça:

de registar o seu gato com o seu médico veterinário;

de identificá-lo – a melhor forma é através de micro-chip. Este é aplicado pelo médico veterinário quando se regista. Se o seu gato já tem micro-chip, não esqueça de actualizar os dados de registo com os seus dados;

de vacinar o seu gato – o médico veterinário irá aconselha-lo das vacinas necessárias. Os gatinhos têm um calendário de vacinação com mais vacinas de reforço (primovacinação) – que se inicia normalmente entre as seis e oito semanas de idade. Os adultos necessitam apenas de reforços anuais;

de desparasitar o seu gato quer externamente quer internamente – o médico veterinário irá aconselhar-lhe a melhor forma, havendo muitas alternativas, comprimidos, pastas, sprays, spot-on, etc.;

se não pretende que o seu gato(a) se reproduza esterilize-o(a) – o médico veterinário dir-lhe-á quando deverá fazer essa intervenção e as suas vantagens.

fonte – faranimal