CONHEÇA O SEU GATO

Ginger domestic kitten (Felis catus) rolling on back playingOs comportamentos dos gatos variam muito e estão associados ao temperamento de cada um. Existem no entanto determinados comportamentos/atitudes  que são comuns e que tem explicações, mais ou menos fundamentadas.

 

 

 

Ronronar do gato

O ronronar de um gato é a sua manifestação máxima de satisfação. A forma de ronronar varia de gato para gato, existem animais que fazem barulho e outros que só conseguimos sentir pela respiração, mas esta diferenças são apenas físicas e não correspondem a níveis diferenciados de satisfação.

Quando o seu gatinho ronronar, delicie-se e continue a fazer-lhe festinhas, ele agradece e sabemos que você também.

Há excepções e pode também acontecer que o gato ronrone em momentos de dor.

Turrinhas e o roçar nas pernas

Os gatos quando passam deliberadamente com o corpo pelas pernas do dono estão a libertas odores, só perceptíveis pelos outros gatos, que indicam que você lhe pertence. Evidentemente que representa que gosta tanto de si que anuncia a sua pertença a todos os outros gatos que possam existir nas redondezas, mesmo que não existam outros gatos na casa.

As turrinhas são uma forma meiga do gatinho chamar a atenção e normalmente significam que nos estão a pedir atenção e uma boa dose de mimos.

Amassar-me com as patinhas

Os gatinhos têm muitas formas de manifestar bem-estar e satisfação, quando se põe com as patinhas a amassar a nosso corpo é uma delas. Nessas alturas está mais uma vez a receber a mensagem de que o seu amigo gosta muito de si e que inclusive associa o dono aos sentimento que partilhou com a mãe.

Esse comportamento com as patas acontece sempre que um gatinho está a mamar e, em alguns casos, mantém-se para o final da vida sendo o dono o eleito para a prática.

É de notar que nem todos os gatinhos tem a necessidade de amassar os donos, não significam isso que gostam menos de si, significa apenas que não tem necessidade de se manifestar dessa forma.

Barulho estranho que parecem umas castanholas

Os gatos por vezes tem comportamentos que nos deixam espantados e que podem deixar um dono desprevenido em grande aflição, por não saber o que está a acontecer. Assim, quando ele se põe a olhar fixamente para um pássaro que está na janela e se produz uns barulhos estranhos, quase de aflição, um barulho feito com dentes e que parecem o bater de castanholas, não se assuste que nada de grave se está a passar.

Não deve ficar assustado, é uma atitude normal e deve estar relacionado com o instinto de caça sempre presente nos nossos amigos felinos, mesmo que nunca tenham caçado nada na vida.

Verá que quando o pássaro sair deixa de existir a manifestação e tudo volta ao normal.

Maior parte do tempo a dormir

Um gato quando tem a segurança suficiente para dormir, pode aproveitá-la ao máximo.

De facto, são animais que se deliciam com uma boa soneca, e passam a maior parte do dia a dormir (o sono pode ocupar dois terços do dia, pelo menos umas 10 a 12 horas e não raro, as 16/17 horas).

Portanto, não estranhe se o seu animal passa muitas horas a dormir: é perfeitamente normal e saudável.

Orelhas para trás e um ar muito concentrado,  com barulhos que o assustam

Quando um gato tem as orelhas baixas e para trás está com medo e será normal, caso se mantenha a origem do medo, que possa reagir com agressividade. É uma manifestação que deve dar atenção e deve, se possível, afastar a origem do medo.

É normal que quando se aproximam dois gatos possa existir este tipo de manifestações, mas verá que também é normal que com o tempo deixem de acontecer.

Pelo todo eriçado

Os gatos quando estão realmente assustados conseguem por todos os seus pelos eriçados, para parecerem muitos mais ameaçadores aos inimigos, pois ficam com um tamanho muito superior, pelo menos, visualmente.

Se se mantiver a tensão, por exemplo provocada pela proximidade de outro gato, é muito provável que exista luta ou pelo menos uma bufadelas.

Mordidelas pequeninas

O gato por vezes morde dono, embora não de forma séria, por pura brincadeira. Os gatos, em especial quando são bebés ou jovens, exercitam muito os seus instintos de caça, quer com brincadeiras com outros gatos, quer com o dono.

Portanto, não estranhe que o seu gatinho pense que o seu pé é uma presa e em consequência simule um ataque com direito a umas mordidelas sem consequência.

É também muito comum quando tem que as simulações sejam feitas entre gatos e nesse caso, é delicioso vê-los brincar, rebolando-se e mordendo-se uns aos outros.

Chichi pela casa

Os gatos são animais que marcam o território, sendo a urina a forma mais forte de o fazer, apesar de existirem outros métodos menos perceptíveis pelo dono, tais como a libertação de odor ao fazerem turrinhas ou mesmo quando se esfregam no dono ou em objectos da casa.

A marcação do território existe quando a fêmea está com o cio, quando os gatos não estão castrados ou então mesmo castrados estão exposto a uma fêmea com cio, e quando existem muitos gatos num mesmo local.

Portanto, a marcação do território através da urina manifesta-se quer nos gatos quer nas gatas, apesar de ser mais comum nos gatos, mas desaparece, para ambos, após a castração. (ver tópico especifico sobre as vantagens da castração)

Agressivo sem qualquer razão aparente

Os gatos não são animais agressivos e só atacam quando estão realmente em muitos apuros e não podem fugir para nem lugar seguro. A atitude normal de um gato que se sente ameaçado é esconder-se do perigo e não responder com uma ameaça.

Significa, portanto que para que o seu gato seja agressivo, situação muito perigosa para os outros gatos, cães ou mesmo humanos, é necessário existir muita tensão e acima de tudo é necessário que o gato esteja completamente encurralado.

Em situações normais as agressões que observamos, por exemplo com os outros gatos de casa, são pequenas e não trazem consequências de maior.

Existe alguma maneira de educar um gato

Os gatos são persistentes ao ponto de muitas vezes no parecer que são muito teimosos, provocando a ideia de que nunca será possível convence-los a mudar de atitude, por exemplo convence-los de que não pode subir para cima da mesa na enquanto estamos a jantar.

Mas, apesar de não ser fácil e apesar de não ser garantido o sucesso, podemos educar o nosso gato. Para tal deve repreende-lo utilizando o som (lembre-se que os gatos ouvem muito melhor do que nós) pode gritar, fazer barulho com as mãos ou os pés.

Este método só tem efeito se for aplicado sempre com firmeza e de forma persistente, caso a sua reacção varie de dia para dia, uns dá-se ao trabalho de repreende-lo outros até acha que é uma graça vê-lo em cima da mesa, nunca irá conseguir educá-lo.

É de sublinhar que nunca deve perder a paciência e optar por lhe bater, pois este comportamento agressivo não tem qualquer efeito na educação do gato. É uma atitude que ele não percebe e portanto não irá produzir qualquer efeito na sua educação, irá apenas magoá-lo.

Morde-me quando estou a fazer-lhe festas

Quando estamos a fazer festinha no nosso gatinho devemos perceber os sinais que eles nos transmitem. Se o gato está deitado com a cauda quieta significa que esta a gostar das festas e podemos continuar. Se esta a fazer ronrom, claro que está a gostar e podemos continuar.

Mas nem sempre as festinhas são bem vindas, pois pode acontecer que o gato quer estar sossegado e portanto não quer ser incomodado. O primeiro sinal que nos transmite, surge com o movimento da cauda que deixa de estar quieta e começa a movimentar-se para a direita e para a esquerda: nessa altura deve parar. Se insistir pode acontecer que a impaciência seja tal que pode levar a uma mordidela, que é como quem diz, basta!

A mordidela não significa que o seu gatinho não gosta de si, significa apenas que quer deliciar-se sozinho com a soneca.

É de sublinhar que as atitudes agressivas por vezes estão associadas a sentimentos de dor ou medo. Caso note mudanças de comportamento durante um longo período de tempo, deve levar o gato ao veterinário.

Fonte

UniãoZoofila